Acessibilidade nas edificações – Artigo do arquiteto Alyson Alves

Todas as semanas a Poligress Shop trará dicas relevantes através de artigos de arquitetos parceiros da loja. No “Espaço do Arquiteto” você possui informações atualizadas sobre vários temas.

Confira hoje o artigo escrito pelo arquiteto Alyson Alves

Alyson Alves - Arquiteto

Acessibilidade nas edificações

Esta primeira edição terá como tema a “Acessibilidade” que é um dos temas mais atuais e importantes no setor da construção civil. O assunto não é aplicado apenas na arquitetura e urbanismo, mas, nesse campo, é cada vez mais discutido e deve ser tratado com seriedade. De modo geral, trata-se de permitir às pessoas com deficiência, definitiva ou temporária, participarem de atividades que incluem o uso de edifícios, produtos, serviços e informação. A acessibilidade tem tido grande importância e relevância em meus projetos, visando um projeto e obra inteligente e segura.

Nós últimos meses os projetos direcionados á pessoas com mobilidade reduzida, em especial idosa e deficiente físicos, reforçou os cuidados, conforto e prevenções na hora de construir espaços preparados para estes ocupantes.

A residência deve ser um local seguro, confortável e deve se adaptar à rotina dos moradores. É essencial proteger aqueles que têm problemas de equilíbrio e flexibilidade, no caso: crianças, idosos e portadores de necessidades especiais.

É importante planejar a residência e garantir a autonomia dos idosos, segurança para as crianças e conforto para os deficientes, permitindo que a rotina permaneça a mais estável possível. Problemas de saúde, redução de visão, audição, hipertensão, labirintite, efeito colaterais de remédios dentre outros fatores podem ser causas de acidentes, os quais acontecem principalmente dentro de casa e são os responsáveis por muitas sequelas que levam a problemas futuros.

O planejamento das edificações providos de banheiros com barras de apoio, pisos planos e antiderrapantes, boa iluminação das áreas de circulação, portas com largura mínima de 80 cm e 90 cm para os cômodos, rampas de acesso, botões de emergência nos cômodos são itens que merecem atenção para moradias que atendem a essa faixa etária e, na maioria dos casos, podem ser executados com baixos investimentos. No caso da largura das portas, vai até mesmo à importância na hora de passar um móvel ou equipamento ou de possibilitar a passagem de uma cadeira de rodas. Todas essas diretrizes são fundamentais para se ter uma residência segura e preparada para o futuro.

O arquiteto tem o papel de planejar os espaços priorizando também o aspecto da acessibilidade em seus projetos, qualificando as edificações nesse sentido.

Dicas para tornarmos o ambiente mais seguro e confortável;

Decoração: instale fitas adesivas debaixo dos tapetes de cerdas baixas para fixá-los;

Cores: paredes de cor clara refletem melhor a luz e detalhes com cores mais fortes podem estimular os sentidos do idoso e tornar a rotina mais dinâmica;

Móveis: evite que o idoso tenha que se abaixar ou se esticar muito para alcançar os objetos (utilize móveis com altura média); cadeiras e sofás com assento médio e espaldar alto são mais confortáveis para se levantar; cantos arredondados são mais seguros; mesas laterais devem ser fixas para permitir que se apóiem quando necessário; gavetas devem ter travas de segurança para que não caiam ao abrir; armários com portas de correr são melhores por não interferirem na área de circulação; evite móveis de vidro;

Circulação: deve ser a mais livre possível e em geral no mínimo 90 cm;

Acesso Escadas: o melhor é que ocorra através de rampas, com no máximo 8% de inclinação; para maior proteção instale corrimão com 90 cm de altura nas escadas e rampas; elevadores e plataformas elevatórias é uma boa solução para evitar escadas e desníveis;

Escadas: devem ter patamar entre 28 e 30 cm para que os pés tenham o apoio necessário; marque o início e o fim da escada, o que pode ser feito utilizando um material de cor e textura diferente; balizadores (pontos de iluminação) em cada degrau facilitam sua visualização; evite desníveis pequenos que podem provocar tropeços (prefira pequenas rampas);

Piso: opte pelos antiderrapantes, como cerâmicas com textura tátil e pisos emborrachados;

Banheiro: adapte barras de apoio, vaso sanitário elevado e banco dentro do Box (pode-se utilizar o mesmo padrão do banheiro para deficientes motores;

Iluminação: deve ser abundante e uniforme, evitando pontos escuros que possam esconder objetos compensando as dificuldades visuais; as lâmpadas devem ser anti-ofuscante (lâmpadas leitosas permitem iluminação indireta); facilite o acesso aos interruptores escolhendo os iluminados;

Cozinha: torneira de mono-comando ou alavanca facilita o manuseio; copos de plástico e de metal evitam cortes no caso de acidentes; ter um carrinho com rodas facilita o transporte dos objetos de um ambiente para o outro;

Quarto: deve ficar no andar térreo, com acesso fácil ao banheiro; a cama deve ter altura que permita estar sentado e apoiar os pés no chão; colchão e travesseiros devem estar de acordo com as necessidades de saúde da pessoa (como o peso); deve haver lanterna, telefone e campainha próximos da cama; a mesa lateral deve ter cantos arredondados;

Jardim: deve ser bem iluminado para que quem esteja dentro da casa enxergue bem o que há do lado de fora garantindo segurança física e psicológica;

Portas: se possível sempre com vão de 90 cm, principalmente para o banheiro e entrada da casa são recomendadas;

Seguindo estas dicas é possível tornar a casa mais segura e cômoda, tornando o idoso mais autônomo e confiante, garantindo que pratique movimentos dentro de casa ao se deslocar livremente, estimulando a circulação, a memória e o raciocínio, diretamente relacionados a uma auto-estima melhor e qualidade de vida superior, inclusive para quem convive com eles.

Uma casa para ser considerada segura e confortável deve ser organizada de modo a evitar acidentes domésticos, tão comuns, e que muitas vezes podem comprometer física e psicologicamente as pessoas. E é nesse aspecto que a acessibilidade já é uma realidade e deve ser tratada como fator primordial antes da execução de uma obra.

Alyson Alves. Arquiteto – alyson.alves@hotmail.com

 

Categoria: Espaço do Arquiteto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *